A VIDA E O SAL

Permita-se a imensidão de um lago…

Havia um jovem muito triste, quase sempre triste…
Mas, ele tinha seu Mestre, e este estava atento e solícito, como costumam ser os mestres…
Um dia, o Mestre chamou o discípulo a sua sala e lhe propôs uma vivência: despejar uma mão cheia de sal em um copo de água e o beber.
O rapaz era obediente e disciplinado, como costumam ser os aprendizes, e assim o fez: encheu a mão no saleiro, despejou no copo cheio de água e bebeu tudo de uma vez.
Em seguida, o Mestre lhe perguntou:

– Que gosto tem?

– Ruim, insuportável, dá vontade de vomitar – respondeu o aprendiz.
O Mestre sorriu, e de imediato convidou o jovem a se dirigir com ele para fora, e caminharam em direção a um lago próximo. Havia dito ao jovem para trazer o saleiro e o copo e, sobre a beirada do lago, ordenou que repetisse a experiência, que o discípulo enchesse outra mão de sal, mas que desta vez o jogasse no lago.
O jovem assim o fez, encheu a mão no saleiro e jogou no lago. Então, o velho ordenou:

– Encha o copo com essa água e beba.
Enquanto a água ainda escorria pelo queixo do rapaz, o Mestre perguntou:

– E agora, qual é o gosto?

– Bom! Gosto de água boa – disse o rapaz.

– Você não sente o gosto do sal? – insistiu o Mestre.

– Não – respondeu – parece só água pura.
O Mestre então se sentou ao lado do jovem, pegou em suas mãos e disse:

– A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido de tudo o mais que está a sua volta. É dar mais valor ao que você tem do que ao que você perdeu. Em outras palavras: é deixar de ser copo, para se tornar um lago. Somos imensos, mas por vezes nos reduzimos, nos estreitamos, e aí o sabor da dor aparece, tá condensado, e o sentido do que é bom não aparece. Não seja um pequeno recipiente, seja um recipiente do tamanho que você é. Torne sua mente e seu coração um grande lago, aumente a percepção de quem você é e do que você sabe e tem de verdade! Como por magia, a dor diminuirá até desaparecer!…

 

Estanislau Baptista – @biodancacom lau – facilitador de Biodança e terapeuta

Vamtam
Vamtam

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipiscing elit dolor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 15 =