Mentol X Mentona

 

Quem não conhece parece ser a mesma coisa! Porém em aromaterapia não existe a mesma coisa, mentol e mentona são princípios diferentes.

 

A mentona é uma cetona, muitas vezes considerada tóxica se for usada exageradamente, também usada como flavorizante na indústria de cosméticos e perfumaria.

 

 

Já o mentol é um álcool monoterpênico, um dos compostos mais úteis em aromaterapia e encontrados nos OE mais comuns, normalmente são antissépticos e energizantes.

 

O mentol tem aroma refrescante característico, encontrado principalmente em plantas do gênero Mentha. É um composto muito presente em alimentos e também em medicamentos. Quando inalado ou aplicado na pele, causa uma inicial sensação de resfriamento, pois aciona quimicamente os receptores de frio.

 

 

Possui propriedades analgésicas, mediadas por uma ativação seletiva de receptores opióides (responsáveis pela sensação de dor). Este efeito analgésico auxilia em enxaqueca, dores de cabeça, cólicas, coceira e também em condições musculares. No sistema respiratório, possui efeito descongestionante.

 

Mentol e a mentona são encontrados na Hortelã Pimenta (Mentha x piperita) e na Menta Brasileira (Mentha arvensis), porém em quantidades bem diferentes, o que faz com que um possa ser usado comedidamente por gestantes e o outro contra-indicado durante toda a gestação.

 

Decifrando a questão:

 

Hortelã Pimenta: tem em sua composição entre outros componentes moleculares de 30 a 65% de mentona; e 38 a 48% de mentol. Já Menta Brasileira: tem 70% de mentol e apenas 20% de mentona.

 

Que diferença!!!!!

 

O que a mentona faz? – Dá sensação de alerta, capacidade de memorização, estimulante e energético.

 

E o mentol? – as mesmas propriedades da mentona de estimular a memória e raciocínio, concentração, porém é um hepatoestimulante e colagogo, ajuda no tratamento de digestões lentas e difíceis, além de náuseas, mal do mar, mal áereo.

 

Resumo da questão – os dois óleos essenciais tem as mesmas propriedades terapêuticas e a indicação além do citado acima eles podem ser usados para mal estar respiratório de gripes e resfriados, tratando da congestão nasal, expectorante, além de sinusite e rinite alérgica.

 

Porém, preste atenção: Hortelã Pimenta, a que contém Mentona é contra-indicado para gestantes e para lactantes pela ação antigonadotrópica e estrogênica. Já a Menta Brasileira que contém mentol, pode ser usado durante a gravidez com parcimônia.

 

Um alerta: os dois óleos essenciais não devem ser usados em crises de asma, epilepsia, convulsões e fibrilação cardíaca.

 

Quando se trabalha com aromaterapia de verdade é importante ter o cuidado de saber para que está se usando determinado óleo essencial, e não apenas indicando ou vendendo óleo essencial sem saber sua composição química.

 

 

Eu sou Vera Gablerterapeuta integrativa –  uma buscadora insaciável de processos evolucionários, como Biodança, Aromaterapia e Frequências de Brilho e outros.

Acredito que as plantas são nossas irmãs mais velhas e têm o poder de melhorar nosso desenvolvimento pessoal.

Moro em Erechim-RS e ofereço sessões on-line de Frequências de Brilho. Presencialmente: Aromaterapia clínica, Barras de Access, Biomagnetismo, Florais de Saint Germain e Massagem Aromaterapêutica.

 

Referências:

Curso Química Descomplicada – Yan Oberlander; Dominique Badoux – O Grande Manual da Aromaterapia

Vamtam
Vamtam

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipiscing elit dolor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 1 =

A primavera e seus inconvenientes

Apesar da maravilha que é a primavera com o desabrochar e a expansão da natureza que brilha e voa, algumas pessoas se ressentem com a